05/12/05

A APANHA DE TRABALHO NA PRAÇA



“Os capatazes, previamente designados pelos patrões, convidam homens e mulheres para os diversos serviços. Se o ganho for bom, aceitam. Por vezes o dinheiro que oferecem não é muito. Mas desanimados com as suas sementeiras que não prometem render, resignam-se e partem para o trabalho.
Uma vez contratados, o capataz chega a uma taberna e pede uma molhadura, isto é, meio litro de vinho para cada homem. Se algum não pode ou não que beber vinho, bebe uma cerveja, pagando o que for a mais. As mulheres recebem uma meada de linhas. Aceite a molhadura, o homem ou a mulher já não pode abandonar o patrão que os contratou. Se o fizer está sujeito a pagar uma multa ou a processo de tribunal”
In Idalina Serrão Garcia, O falar da Glória do Ribatejo

1 comentário:

Ana disse...

Andava eu a navegar por aqui e eis que encontro a minha mãe (Idalina Serrão Garcia) neste blog. Curiosidades da vida. Lembro-me de, em pequenina, ir à Glória visitar as pessoas do livro e com quem a minha mãe manteve contacto por muitos anos.
Desejo tudo de bom!
Ana M. Garcia Rebelo